Caminhos separados cobrir

最もエロい日本人女がここにはいる 10 - JavHD.net - 12 mins agua que chegou a cobrir o balrio. lalragnit Ihe muitos gneros, rojos prejuizo an avabatl-em quantia superior a I : essa venda soiTreram tambem rstrafrna No mez de maio arreradaram : a aKaadeaa- 305.871*180. e a mesa dr randas Ai :n%Mft Sinfa Ceraran .No da t foi in>tallada a as sembla provincial. Fallecen, a 18 dr mam, a negociante da nsster- Assim fez as colunas, juntamente com 2 fileiras em redor sobre uma rede, para cobrir os capitis que estavam sobre a cabea das roms; assim, tambm, fez com o outro capitel. E os capitis que estavam sobre a cabea das colunas eram de obra de lrios no prtico, de 4 cvados. 45 Rizzardo da Camino. Simbolismo do Primeiro Grau Alguns guias do Caminho de Santiago consideram o trecho entre Roncesvalles e Zubiri como a segunda etapa do Caminho Francês. Esta etapa do talvez não fosse tão cansativa se não viesse logo após a travessia dos Pirineus. Para os que evitam a linda travessia dos Pirineus, optando pelo início em Roncesvalles, não é tão difícil como para os que vem de Saint-Jean-Pied-de-Port. Coronavírus: De banheiros separados a conversas restritas, as recomendações do ministério da Saúde para a viagem dos brasileiros repatriados de Wuhan 08/02/2020 Os membros da realeza que ... Planeje o que irá discutir e quanto tempo despenderá em cada parte da lição, mas deixe o Espírito guiá-lo. Não encerre uma discussão importante apenas para poder cobrir todo o material da lição. É mais importante que os alunos aprendam e sintam o Espírito do que discutir todos os pontos da lição. Na confecção de uma Placa de Circuito Impresso, ou da sigla PCB em inglês, existem boas práticas que devem ser sempre aplicadas. Vamos, aqui, listar 10 dessas práticas que devem estar sempre na mente de todo o engenheiro para o desenvolvimento de produtos eletrônicos. Primavera, nos anos 70. Percebi muito bem o recado que o camarada funcionário do Partido me mandou. Na quinta-feira da semana seguinte, iria ao Jardim da Estrela encontrar-me com um amigo, também militante a viver na legalidade, e levava-o para a casa de apoio onde, ultimamente, reuníamos. O Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgaram neste sábado recomendações para a viagem de brasileiros que estavam em Wuhan, na China, epicentro dos ... Como Plantar Grama Entre Pavers. Pavers de pedra e concreto são uma ótima opção para construir um acabamento paisagístico duradouro e de baixa manutenção. Os pavers podem ser posicionados próximos uns aos outros em grandes áreas, criando...

GRRM deixou a peteca cair? [Parte 2]

2019.12.28 05:51 altovaliriano GRRM deixou a peteca cair? [Parte 2]

Link: https://towerofthehand.com/blog/2014/01/12-did-grrm-drop-ball/index.html
Título original: Did George R. R. Martin drop the ball?

[Link para a Parte 1]
Stefan Sasse : Não tente me convencer da qualidade literária de nada comparando-a com O Senhor dos Anéis - acho os livros um tédio. Eles são, para mim, o principal exemplo de informação inútil e subtramas estúpidas destruindo as coisas interessantes. Mas aí eu estou fugindo do assunto.
Eu realmente não ligo para Essos também – a importância daquele lugar reside no fato de termos que saber de tudo aquilo antes que venha a se tornar importante. É importante para a missão de Dany e para delinear a conspiração Varys-Illyrio, eu penso.
Mas acho que se resume a uma questão de gosto. Você está definitivamente certo de que há partes do Festimdança que poderiam ser cortadas e ainda teríamos o mesmo enredo, mesmo que eu queira enfatizar que gosto delas e não gostaria de vê-las desaparecer. Para mim elas são importantes na construção do mundo. É gosto, eu acho.
Mas vamos avançar para o próximo ponto sobre o(s) livro(s). Argumentei desde o início que é importante visualizá-los como um único volume em vez de dois volumes separados, e é por isso que eu os chamo de Festimdança (quando não estou me referindo especificamente a um deles). Ambas as histórias são muito profundamente entrelaçadas, e somente quando lidas juntas – na ordem de leitura sugerida por Sean T. Collin, por exemplo – é que você poderá desbloquear o verdadeiro potencial delas, que reside principalmente nos temas governo, guerra e paz. Chamei a multidão de tramas entrelaçadas de "A Guerra no Norte", "A Paz no Norte", "A Guerra no Leste" e "A Paz no Leste" porque Jon e Dany tentam governar sob circunstâncias muito difíceis e diversas, e ambos fracassam. Até certo ponto, esse desenvolvimento é refletido pelas tentativas de Cersei de governar em Porto Real, que são um assunto incidental neste tópico.
Somente quando vistos em conjunto Festimdança se torna um livro muito bom (comparado à experiência bastante medíocre de que você e muitos outros se queixam). Fiquei decepcionado no começo. É por isso que definitivamente concordo com sua avaliação anterior de que foi definitivamente a errada a decisão de George de dividir o livro da maneira que ele fez.
Remy Verhoeve : Suponho que me valer de O Senhor dos Anéis foi uma péssima jogada. Nada como duzentas páginas expositivas sobre os hobbits antes de a história sequer começar... (ainda assim, uma vez que começa a rolar... não, foi um exemplo ruim). Suponho que há uma importância para Essos, já que Martin gasta tanto tempo construindo-o para nós. Mas quando não atrai o leitor (e aqui parecemos concordar que Essos não é muito interessante) por que devo me importar mais tarde durante a história sobre o que acontece ou não acontece em Essos?
Não li os livros na ordem sugerida, mas não me importaria de tentar. Só tenho medo – e falo sério – de reler aqueles capítulos horríveis de Tyrion e Daenerys (os capítulos de Jon são ligeiramente mais interessantes, em geral). Embora eu possa reler qualquer capítulo dos três primeiros livros com alegria, não suporto ler sobre Daenerys sentada ali conversando com todos aqueles personagens que não consigo distinguir.
Os livros também se tornaram mais repetitivos, e estou quase arrancando os olhos sempre que leio outro "Onde quer que as putas vão". Você está certo de que a história provavelmente precisava diminuir de intensidade para reconstruir o momento. Concordo com isso. Mas mesmo nos capítulos e momentos mais silenciosos dos três primeiros livros, Martin mantém o leitor envolvido e interessado.
Sim, existem temas abrangentes, e as semelhanças entre as histórias de Jon e Dany são agradáveis ​​e os vinculam aos pólos "gelo" e "fogo" da balança. Mas há muita encheção de linguiça. Muita encheção, mesmo para um entusiasta como eu. Veja os capítulos de Bran em Dança. Eles se movem rapidamente. E em três capítulos o arco de Bran para o livro está pronto e parece satisfatório. Parece uma continuação natural de sua história dos três primeiros livros. Daí olhe para o arco da história de Tyrion. Tudo o que ele faz é viajar e dar espaço para exposições.
Stefan Sasse : Eu não seria tão rápido em vincular isso à qualidade, por si só. Está diferente, tudo bem –ac não vou negar isso. Afinal, não adiantaria, pois está óbvio. É como reclamar que o quarto ato do drama clássico não oferece tanto quanto o terceiro. A história precisa se resumir para poder recuperar o ritmo novamente no quinto ato. No caso de "A Song of Ice and Fire", estamos falando de uma estrutura de três atos, é claro, mas isso não altera a questão.
Eu diria que Festimdança nos permite aprofundar questões que os três primeiros livros apenas tangenciaram, uma vez que estávamos muito envolvidos nas perspectivas dos agentes principais. O conflito foi intenso e relativamente curto, e precisava ser contado de diferentes perspectivas.
Porém, Festimdança permite que nos aprofundemos em outras questões. Um dos pontos mais importantes é o enredo de Brienne, que é o primeiro olhar verdadeiro para o mundo do “Time dos Plebeus” (fora aqueles capítulos de aventura de Arya). É impossível imaginar o monólogo de Septão Meribald sobre os Homens Quebrados (que também é exposição, lembre-se) nos três primeiros e mais compactos romances. Mas é fundamental entender o que esses livros verdadeiramente falam sobre. E o processo de paz que compõe grande parte da política da Festimdança (exceto, notadamente, na campanha de guerra de Stannis no Norte) é uma tarefa árdua, sim. E assim foi deliberadamente concebida para ser, acredito.
Adam Feldman, do Meereenese Blot, argumentou de forma convincente que o que Martin está propondo é um processo de paz altamente complexo, tedioso e opaco, precisamente porque manter a paz é complexo, tedioso e opaco. Existem muitas camadas em toda a história e em toda a tediosidade. Camadas que pedem para serem analisadas e afastadas. Feldman, por exemplo, defendeu que Daario Naharis e Hizdahr zo Loraq personificam as opções da guerra e paz para Dany. Os beijos de um são quentes e emocionantes, os do outro são tépidos. Mas, como insiste a Graça Verde, a paz é uma pérola sem preço. Infelizmente, não há como entrar nestes pontos sem literalmente demolir tudo. A menos que você espelhe isso na narrativa, que é o que Martin faz.
Obviamente, ele arriscou a ira do fandom por causa dessa mudança, especialmente porque a dedicada fanbase levou mais de dois anos para entender o cerne da questão. Entretanto, aqui o desapego de GRRM pela fanbase é útil. Ele não precisa titubear diante dos fãs, já ele não parece se importar. E assim ele pode basicamente escrever a história em seu próprio tempo, com o melhor resultado que ele acha que pode alcançar. Na maioria do tempo, isso se mostrou recompensador (embora, como observado, a divisão dos livros não pareça uma decisão sábia, olhando em retrospectiva).
Já espero que você discorde veementemente com relação o tratamento de Martin com sua fanbase, é claro, mas, por favor, também leve em consideração o que eu disse sobre a narrativa.
Remy Verhoeve : Está diferente. E eu diria que um fator é que, de fato, a qualidade não é tão boa quanto costumava ser. Não estou dizendo que menos qualidade é a única razão pela qual Dança não se tornou um dos favoritos. Se você olhar, digamos, A Fúria dos Reis e A Dança dos Dragões lado a lado, existem vários elementos que tornam o primeiro bom e o segundo não tão bom.
No lado técnico, eu argumentaria que há muito mais erros de digitação e erros editoriais em Dança. Às vezes, o livro parece uma compilação feita às pressas, o que tenho certeza de que foi. Desenhar sobre uma tela maior também reduz a qualidade da pintura. Onde os três primeiros livros parecem compactos, Festimdança incha conforme o número de capítulos de POVs aumenta. A tal ponto que temos tantos personagens novos que Martin começa a lutar para torná-los especiais.
Veja personagens antigos como Sansa, Arya ou Tyrion, por exemplo. Você pode definir rapidamente essas personas por um número de características distintas. Eles são completamente bem caracterizados. Nos primeiros capítulos, você pode começar a formar uma imagem dessas pessoas em sua mente. No caso dos novos POVs, eles começam a se misturar, não são mais tão únicos e – para mim, pelo menos – tornam-se menos interessantes porque estão "apenas lá".
Em alguns desses novos POVs eu enxergo certas qualidades redentoras porque elas estão em uma história interessante ou foram melhor desenhadas (Asha Greyjoy me vem à mente), mas outros são muito genéricos em comparação com os POVs 'originais'. Até Melisandre, que permaneceu um dos grandes e interessantes mistérios da série, é reduzida a um ponto de vista não muito interessante (foi um grande erro em dar a ela – e a Sor Barristan – pontos de vista, eu acho; estes são personagens épicos que só devemos ver de fora; outra falha em minha opinião).
Eu também argumentaria que foi péssimo jogar, de repente, Jovem Griff na história em um momento tão tardio – embora eu esteja ciente de que ele poderia ser um arenque vermelho [red herring]. No entanto, antes dessa 'reviravolta', eventos importantes na narrativa foram profusamente ofuscados. Jovem Griff parece surgir do nada, o que contribuiu para uma experiência, na verdade, chocante. O POV de Barristan também é muito genérico. Martin precisa equilibrar todo o conhecimento que um personagem como Selmy tem para não revelar muito. E o resultado é, bem, não muito especial.
Não estou reclamando de nada ser diferente, aí é você colocando palavras na minha boca. Estou argumentando que a qualidade da redação é reduzida. Não me importo das coisas serem 'diferentes' porque, se tudo é igual, também não é muito interessante. A história fornece personagens, enredos e localidades muito diferentes. E geralmente estou interessado na maior parte deles, seja um capítulo "quieto" ou cheio de ação e aventura.
A escrita está tão diferente que eu e outras pessoas de fato já cogitamos se algumas partes não foram escritas por ghost-writers. No momento em que não parece mais com As Crônicas de Gelo e Fogo, podemos perguntar se é porque está diferente ou se é porque não está tão bom como costumava ser (tecnicamente).
Na verdade, eu não me importo com as histórias reais apresentadas em Festimdança. Gosto dos conceitos apresentados, incluindo as viagens de Brienne, os problemas políticos de Dany, o desvio de Jaime para Correrrio etc. (o único enredo em que sinto que Martin saiu terrivelmente do curso foi o de Tyrion). É uma questão de como essas histórias são executadas que deixa algo a desejar. Os personagens parecem ter perdido suas características. O diálogo perdeu a nitidez. Tantas cenas pareciam escritas para chocar, em vez de aprofundar a história. Tantos erros gramaticais que escaparam ao processo de edição. A repentina mudança nos títulos de capítulos, em vez de manter a estrutura no lugar, para que a série possa parecer mais com um todo.
Quanto a ver o mundo da perspectiva do “Time Plebeu”, com certeza é bom, mas será que realmente precisamos de um arco inteiro para isso? Pessoalmente, senti que o Time Plebeu já estava bem representado nos capítulos de Arya – através de suas jornadas, vemos realmente como a guerra afetou a população.
Prefiro dizer que os capítulos de Brienne permitiram que Martin colocasse um elemento que ele realmente não havia destacado antes - o religioso. De repente, com Festim, sacerdotes, monges e crenças são jogados na mistura de uma maneira um tanto abrupta. Ela exemplifica como Martin, tardiamente, decidiu que não havia dedicado tempo suficiente à religião. Afinal, a religião era tão importante nos tempos medievais e ele também assim queria, e ficamos com um aumento repentino na exposição sobre religião em Westeros. Alguém poderia arguir que esse é outro ponto contra os livros mais recentes - parece que Martin quer cobrir todas os pontos. Em vez disso, ele poderia ter mantido o foco mais restrito. Ninguém disse que ele precisava incluir tudo o que tem a ver com a história medieval.
Eu tenho o mesmo sentimento na Dança quando, de repente, o rito da prima noctis é mencionado pela primeira vez em mais de 3000 páginas. Como se Martin tivesse assistido Coração Valente e percebesse que ele precisava adicionar esse ritual curioso (e talvez nem verdadeiro) a sua própria obra. Quando uma obra já se estabeleceu tanto ao longo dos três primeiros livros, ela parece 'amarrada' e não soa verdadeiro quando coisas novas aparecem nos livros quatro e cinco. Especialmente quando essas coisas novas parecem que deveriam ter sido introduzidas mais cedo, se elas eram assim tão importantes.
De qualquer forma, você pode argumentar que a história de Brienne é uma maneira de vermos a luta dos plebeus com as consequências da Guerra dos Cinco Reis, enquanto eu posso arguir que a história é usada mais para apresentar e integrar facções religiosas à história. E talvez estamos ambos certos ou ambos errados (ou um de nós está certo...). Mas tudo ainda se resume à apresentação técnica.
É interessante ler sobre Brienne viajando pelas terras fluviais em busca de Sansa, quando sabemos onde Sansa está (e ela definitivamente não está por perto)? Veja bem, eu não diria que isso é uma narrativa de alta qualidade. Se houvesse alguma esperança de que Brienne pudesse encontrar Sansa, talvez isso aumentasse o interesse pela história. Ou se Brienne tivesse alguém atrás de si que representasse um perigo real, poderíamos nos preocupar com ela e, assim, estar mais envolvidos com a história. Páginas do monólogo que parecem ter sido copiadas e coladas diretamente de alguma fonte medieval (há pelo menos algumas linhas que são literalmente tiradas de algum lugar, lembro-me de protestar quando a li) não nos envolvem da mesma maneira, eu acredito.
Não há tensão, é tudo um "vamos dar uma olhada no campo". Muitas das informações recolhidas nos capítulos de Brienne parecem mais pertencer a "O Mundo de Gelo e Fogo". Mais uma vez, gosto da jornada de Brienne, mas, como narrativa, ela trabalha contra si mesma; apenas um fanático por Westeros diria que isso é uma boa narrativa. Porque você estaria tão vidrado no cenário que qualquer representação dele se torna interessante. Nossa, eu estou divagando.
No final, o enredo de Brienne poderia ter sido condensado, com alguns capítulos a menos, ou então a enorme quantidade de exposições deveriam ter sido trabalhadas na narrativa de uma maneira mais sutil. Aliás, o único objetivo dessa história (fora a exposição) é que ela dá de cara com uma certa mulher no final, o que leva ao seu confronto trilateral com Sor Jaime e Senhora Coração de Pedra, possivelmente interessante.
Quanto à paz, ou processos de paz, só posso dizer isso: a paz é a ausência de conflito, e o conflito é o que impulsiona uma narrativa. Se o "trabalho árduo", como você diz, é intencional ou não, não importa. Se você admitir que seja árduo de ler, você está, em minha opinião, admitindo que o Festimdança (ou partes dele, pelo menos) simplesmente não são tão boas. Contudo, admito que, para alguns leitores, também pode haver partes 'arrastadas' nos três primeiros livros – eu sei que existem leitores que acham os capítulos de Bran menos interessantes, por exemplo – mas esses capítulos movem a história – o que eu não tenho certeza se todos os capítulos de Festim dança realmente fazem.
Eu não me importaria se Quentyn Martell não aparecesse em Dança até o momento em que ele se apresenta na corte de Daenerys. O que teríamos perdido? Os elefantes em miniatura no Volantis? Nós realmente precisamos de tantos capítulos de Tyrion no rio ou no mar? A história poderia funcionar sem Penny?
Para que você não me entenda muito literalmente, é claro que vejo conflito em Festimdança, no nível pessoal. Há um conflito dentro de Daenerys Targaryen (vários, na verdade); há um conflito dentro de Jon Snow (talvez o mais óbvio – sua história sempre foi sobre lealdade, lealdade, honra, dever). Mas a ação exterior diminuiu, isso é verdade. Quase nada com consequência acontece até o livro terminar. “Diferente”? Sim. Mas “melhor”? Os livros antigos misturavam ação interior e exterior com grande sucesso. Por que repentinamente só estamos olhando para o próprio umbigo (por tanto tempo)?
Eu acho que seria simples demais dizer que Martin está intencionalmente tornando sua história menos interessante. Isso é uma desculpa insatisfatória. Martin sabe escrever cenas arrasadoras, sejam lentas ou não. Ou você está dando muito crédito a ele ou eu estou dando muito pouco. Pois bem, suponha que Martin queira nos mostrar que a paz é chata. Então ele teria que usar outros truques para nos manter interessados pela história. Ele nos daria personagens secundários fáceis de distinguir. Em vez disso, temos uma série de personagens com nomes semelhantes. Ele deveria elaborar o desenvolvimento do personagem de modo que acompanharíamos uma trajetória interessante. Em vez disso, Daenerys é a mesma pessoa do primeiro ao penúltimo capítulo (apesar de que, com certeza, ela não é a personagem que vimos em A Tormenta de Espadas).
Vamos deixar a interação de Martin com seus leitores para outro dia, porque só de pensar nisso sai vapor dos meus ouvidos. Eu espero que eu tenha esclarecido meus argumentos e, se algo não estiver claro, diga-me e poderemos analisar melhor esta parte do debate.
Stefan Sasse : Eu ainda acho que muitas das críticas que você faz ao(s) livro(s) vêm de uma perspectiva distinta do que está por vir. Sim, eu e muitos outros intencionalmente acreditamos que isso faz parte do todo, o que permite não se aborrecer com histórias como a de Brienne, onde nada de grande monta acontece (exceto para os personagens envolvidos, é claro). Mas, como você diz a si mesmo, para muitas pessoas, ocorria (e ocorre) o mesmo com os livros antigos.
Acho difícil na maioria das vezes lembrar minhas primeiras impressões sobre o livro, porque elas acabaram misturadas irreconhecivelmente com minha compreensão posterior e com o conhecimento decorrente de releituras. Mas tenho certeza de duas coisas: fiquei aborrecido com os capítulos de Brienne na primeira e na segunda vez que li O Festim dos Corvos em 2005 e 2006. E também não gostei muito dos capítulos de Bran nos três primeiros livros, precisamente pelo fato de que nada parecia estar acontecendo. Veja, de verdade: você precisa ser um leitor excepcionalmente perspicaz para apreciar a história do Cavaleiro da Árvore que Ri em sua primeira leitura. Se você não entende do que se trata, simplesmente acharia uma leitura muito chata a longa lista de personagens mortos há muito tempo identificados apenas por seus brasões.
O mesmo vale para as provações de Brienne. Já sabíamos que ela não encontrará Sansa (exceto naquele momento em que pensa em ir ao Vale, mas isso é descartado rapidamente). Em vez disso, nos envolvemos em uma variedade de subtramas e na resolução de subtramas (o destino de Podrick Payne, Sor Shadrich e colegas, Gendry, a Irmandade e Senhora Coração de Pedra) e também passamos por uma subnarrativa realmente atraente (especialmente na parte de Lagoa da Donzela). Mas levei um tempo para me aquecer.
Da mesma forma, ao ler A Dança dos Dragões pela primeira vez, sinceramente desejei que os capítulos de Tyrion fossem mais rápidos. Eu não conseguia lembrar nem mesmo uma das malditas cidades em ruínas que eles passam no Rhoyne. Também não fiquei particularmente intrigado com Aegon, até porque nunca gostei da “teoria da conspiração” segundo a qual Varys traficou o garoto (a qual já estava circulando há um longo tempo, assim como a de que Tyrion seria um bastardo Targaryen). Mas em releituras posteriores, quando você já sabe o que vai acontecer (como Brienne não encontrar Sansa), você pode se envolver pelas coisas que realmente estão lá.
A propósito, é isso que eu queria dizer com o problema das expectativas. Esperávamos que várias coisas acontecessem em Festimdança, e muito disso não aconteceu (nenhum Outro na Muralha, nenhum encontro entre Tyrion e Dany e assim por diante). Entretanto, apesar de que Martin certamente poderia ter cortado muito do que está lá e "ido ao ponto" mais rapidamente, eu acho que isso tornaria estes livros uma leitura menos convincente (mesmo que ele adotasse sua abordagem, mantivesse as histórias intactas e apenas cortando fora a carne – ou gordura, conforme o ponto de vista).
Da mesma forma, simplesmente ainda não sabemos qual é o objetivo com os nomes de capítulos alterados. Martin enfatizou repetidamente que existe um sistema por trás, que ainda não podemos compreender apenas com base nos dois livros, mas que no final entenderemos. Então estou reservando o julgamento final sobre isso para mais tarde, quando os livros finais forem lançados.
A propósito, fiquei desapontado com o aparecimento do Ius Primae Noctis, porque é apenas um mito medieval criado por Coração Valente. Mas achei lógico que aparecesse só agora. É claro que os Boltons (que só agora vimos de perto) ainda o praticariam. E é claro que eles não contariam aos Starks (que têm sido nossa única janela no Norte até agora).
Na verdade, eu achei essa uma das coisas mais interessantes e envolventes sobre a história do norte em A Dança dos Dragões: o Norte "sombrio". Bran aprendendo que os Stark costumavam sacrificar as pessoas sob as árvores-coração; pendurarem entranhas nas árvores; os Bolton e suas práticas cruéis; os clãs das montanhas e Karstarks e o descarte dos velhos e doentes no inverno para preservar a comida para os saudáveis; e assim por diante. O que víamos até agora era o belo Norte, através das lentes rosas dos benignos senhores Stark. Por baixo, há um norte muito mais sombrio, que foi despertado pelo conflito Bolton-Stannis. E isso torna as coisas muito boas de ler.
Também poderíamos argumentar facilmente que as culturas orientais nos três primeiros livros eram praticamente figurante feitos de papelão (escravistas do mal com penteados ridículos) e só foram aprofundados em Festimdança. Claro que você pode dizer que simplesmente não se importa com eles, já que a história deveria estar em Westeros. Mas eu gosto do toque de realismo e credibilidade que isso traz à história. Torna o lugar mais real, ao invés de somente um ponto da trama a ser riscado da agenda.
Isso me leva à minha última questão com seus argumentos: a questão da luta. Sim, a paz por definição é a ausência de guerra, mas esta última tem sido por muito tempo a doença da fantasia, que se baseou em conflitos armados para contar histórias envolventes. O experimento que Martin fornece com Festimdança é realmente ousado: ele usa dois livros realmente volumosos para verdadeiramente nos mostrar o que vem depois. Martin certa vez fez uma observação (estou parafraseando) que, em O Senhor dos Anéis, nunca aprendemos como Aragorn governaria e qual seria, por exemplo, sua posição sobre rotação de culturas em três campos ou sobre tributação. Isso ocorre porque a fantasia tradicional se mantém convenientemente afastada das questões cabeludas.
Mas ele não se afastou. Quando Dany anunciou no final de A Tormenta de Espadas que ela iria ficar e governar, acho que ninguém acreditou de verdade. Até agora, sua jornada era marcada por contínuo sucesso, crescimento e progresso (sim, mesmo com a morte de Drogo). Mas em A Dança dos Dragões, testemunhamos de perto o quão difícil é vencer. Esse desenvolvimento foi refletido na história de Jon na Muralha, onde ele teve que lidar com os selvagens (que provaram ser a parte mais fácil) e com seus próprios homens (com quem ele constantemente falhou). E em Porto Real, Cersei consegue jogar fora, em questão de semanas, os sucessos que os Lannisters conquistaram em uma guerra realmente sangrenta.
Ganhar a paz é o objeto mais difícil de todos. É duro, difícil e confuso. Lutar uma guerra, por outro lado, é a parte mais fácil. É como o lado negro em Star Wars: fácil de sucumbir, já que é tão direto e emocionante (se você não é um membro do Time Plebeu, claro). Mas é o lado negro. A paz é muito mais difícil, o caminho não está posto para você, e você deve enfrentar seus demônios internos de uma maneira muito mais pronunciada, pois você não pode apenas canalizá-los para o inimigo da vez. Jaime Lannister aprende isso também – assim que ele não pôde acertar alguém com uma espada, ele passou a estar realmente perdido.
E veja como estão todos perdidos, e como gostariam de voltar à guerra: Cersei faz de tudo para criar um fronte em Porto Real: ou você está com ela ou com os Tyrells. Não há acordo, nada no meio. Essa é a atitude da guerra, não da paz. E conflito é tudo o que ela recebe de volta. Dany tem que escolher continuamente entre o caminho mais fácil, fornecido por Cabeça-Raspada e Daario, e a paz complicada e insatisfatória, fornecida pelo Senescal, Graça Verde e Hizdahr. E Jon aproveita todas as oportunidades para deixar Castelo Negro e liderar patrulhas, e por fim, desnecessariamente, dá suporte à campanha de Stannis pelo Trono de Ferro, provocando guerra com Forte do Pavor (e sua traição).
Tudo isso é uma narrativa muito forte, ainda mais forte do que nos três primeiros livros, onde os elementos dela já eram aparentes. Robb Stark conseguiu derrotar facilmente todos os oponentes na batalha, mas ele era totalmente incapaz de ganhar a paz, ou qualquer tipo de paz. Esse é o lado negro. Toda a corrente subjacente à saga já está configurada aqui, e Festimdança capitaliza isso. Mas apenas se você estiver disposto a ler o que está lá e não a fantasia “Lado Negro” que você esperava. Aqui não há George Lucas, que deixou Luke agir dos dois lados, atacando Darth Vader e ainda saindo limpo porque seu pai mudou de idéia. Isso não acontece aqui.
E acho que o trabalho de base da Festimdança se tornará realmente importante nos livros a seguir, quando Jon, Dany e Cersei, todos tendo aprendido as lições erradas do fracasso em manter a paz, tomarão realmente algumas decisões ruins e desdenharão da carnificina durante o ataque arrebatador dos Outros. E estou bastante convencido de que muitos olharão com mais carinho para Festimdança então.
Remy Verhoeve : Você faz alguns argumentos convincentes em referência à paz e essa é provavelmente uma maneira melhor de enxergar tudo caso deseje manter a fé de que não há nada errado com Dança. Eu gostei de ver o 'norte sombrio', embora isso também dê a Martin uma chance de se aprofundar ainda mais na depravação, o que não estou certo de que seja algo que faltava na série.
Agora, eu ainda mantenho que a maioria das coisas que tornam Dança não tão bom tem a ver com tecnicidades, como mencionado, e que o enredo em si não é ruim. Sim, você tem algumas observações interessantes e eu particularmente gosto de como todos pensam que o caminho mais fácil teria sido guerra, mas quando estou lendo um dos dois romances, não estou sob juramento. Eu não precisava que ninguém me dissesse exatamente o que procurar ou sentir ao ler A Guerra dos Tronos. Ele apenas me deu um chute na cara e disse "Preste atenção".
Com Dança, as pessoas são forçadas a entrar na Internet para encontrar explicações detalhadas sobre por que Martin talvez tenha decidido escrever isso ou aquilo, mais ou menos. Mas até chegarmos ao Os Ventos do Inverno, não podemos saber exatamente o que é construção de bases e o que é escrita desleixada. Se ele pretende resolver tudo o que apresenta, então teremos mais dez livros. O que novamente significa que você deve julgar Festim e Dança por seus próprios méritos. E eles estão em falta - para muitos. Gostaria de observar que gosto mais desses livros do que a maioria dos romances de fantasia, mas eles não são tão surpreendentes quanto os três livros originais.
Existem também algumas objeções pessoais aos romances, é claro, contra as quais você não pode fazer nada. Não acho a história de Cersei convincente, sendo a profecia de 'Maggy, a Rã' um enredo particularmente ruim. Esta não era o Cersei que eu pensava conhecer dos três primeiros livros, e não sou capaz de reajustar minha percepção da personagem. Isso é culpa minha, claro. Mas isso serve como outro exemplo de escrita ruim. Não apenas porque parece tão forçado no quarto livro (embora eu entenda que você possa defendê-lo tecnicamente porque não tivemos o ponto de vista de Cersei antes), mas também porque Martin, com Festimdança, começa a fazer todas essas conexões entre os personagens, ao ponto de tornar tudo um pouco bobo - especialmente em comparação com os três primeiros livros, onde ocorria praticamente o contrário.
Agora você tem personagens se encontrando regularmente (de preferência na mesma Estalagem na Encruzilhada), nomes de personagens vinculados de várias maneiras etc. Sim, ele precisa começar a amarrar os pontos, mas essa é uma maneira ruim de fazê-lo, em minha opinião. O mundo de Westeros, que era vasto, fica menor a cada capítulo. De qualquer forma, agora estou saindo pela tangente de novo.
Tendo dito tudo isso, sou totalmente em seu favor - a dificuldade de conquistar a paz é definitivamente um tema importante e grande. No entanto, não torna mais emocionante a leitura de Tyrion a bordo de uma embarcação por dez capítulos consecutivos. Não me enche de encanto ler uma página de cima a baixo com os pensamentos de Daenerys sobre Daario. E o ponto de vista sombrio de Jon Snow também não fica mais emocionante com nada acontecendo.
Stefan Sasse : Receio que isso nos deixe em um impasse, onde tudo se resume a uma questão de gosto. Pelo menos acho que podemos ter certeza de que você dará a Os Ventos do Inverno uma chance de trazê-lo de volta ao redil.
Remy Verhoeve : Suponho que não podemos conciliar nossas opiniões, mas é bom discutir isso com você de maneira civilizada e concordar em discordar. Estou pronto e disposto a aceitar Os Ventos do Inverno. Também decidi tentar abordar os dois livros usando a reorganização dos capítulos que você sugeriu. Concordo que o gosto é o fator divisor essencial aqui, mas você parece concordar comigo que, por exemplo, os capítulos de Tyrion Lannister em Dança não são tão bons. Isso me faz pensar por que você está defendendo o desenvolvimento de As Crônicas de Gelo e Fogo se também vê certas falhas. De qualquer forma, obrigado pela conversa :)
Stefan Sasse : Foi um prazer. E para usar o privilégio da última palavra, acho que os capítulos de Tyrion precisavam de mais tempo para que se estivesse aquecido para eles. Gosto do desenvolvimento e estou ansioso para ver mais. Apenas levei um pouco de tempo para ver a luz. ;)
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.07.27 21:50 DivinaNunato Um guia completo para lembrar o que você leu(Tradução)

Um guia completo para lembrar o que você leu
Quando olho o processo da leitura para a retenção, vejo cinco fases. Vamos percorrê-los, dividi-los e otimizar nosso comportamento ao longo do caminho.
  1. Pré-visualização
Em 10 Days to Faster Reading , antes de cobrir qualquer exercício de leitura de velocidade, Abby Marks-Beale revela a maneira mais poderosa de ler mais: Leia menos das coisas que você não precisa . Antes mesmo de começar a passar o dedo pelo papel ou pelos olhos de pixel a pixel, pergunte:
  1. Por que estou lendo isso?
  2. Por que preciso das informações que estão aqui?
Esta é a sua chance de realmente viver de acordo com o lema "Leia quando precisar". Uma vez que o material passa pelo filtro mais importante, você pode fazer o que Mortimer J. Adler chamou de uma leitura de inspeção em sua obra-prima de 1940, Como ler um livro .
O objetivo de uma leitura de inspeção é responder a mais duas perguntas:
  1. Sobre o que é este livro?
  2. Que tipo de livro é esse?
Você pode fazer isso lendo as seguintes seções:
A página de título. A sinopse do editor. O texto da capa. O índice.
Seções introdutórias e parágrafos importantes de capítulos que lhe interessam. Isto equipa-o com um dos facilitadores mais importantes da informação: Contexto .
Ter uma ideia do tema abrangente de um livro, assim como o objetivo que seu autor tinha em mente, enquanto o escrevia, melhoraria significativamente a forma como você catalogaria seu conteúdo.
“O conteúdo é rei, mas o contexto é Deus.” - Gary Vaynerchuk
  1. Leitura
A razão mais comum que um livro fica frustrante e jogamos a toalha é que leva muito tempo para ler. Deixe-me esclarecer: Leva -nos muito tempo para ler.
Por isso, Adler sugere que você leia a capa do livro para cobrir sua primeira passagem, mas não procure coisas que não entende. Mesmo sem alinhar perfeitamente cada peça do quebra-cabeça imediatamente, permanecer ciente do contexto permitirá que você organize os bits e detalhes finais mais tarde. Dito isto, há um contra-ataque massivo a ser jogado aqui, que terá um equilíbrio:
P ause depois de cada ponto.
Esta ideia deriva de Reading Like a Writer, de Francine Prose . Deixe-me explicar.
Em um parágrafo, toda a ênfase está nas primeiras e últimas palavras. Portanto, um parágrafo expõe instantaneamente o que o autor acha importante. É como ouvir alguém falar prestando atenção a quais palavras elas pronunciam mais claramente, mais lentamente e quais repetem para dar ênfase. A melhor maneira de pegar esses acentos de importância e refletir sobre eles é pensar nos parágrafos como guias de respiração literária. Quando você começa um novo, você inspira lentamente e, em seguida, expira gradualmente à medida que lê, antes de expirar completamente na última palavra.
Pode ter mais de uma milha, no entanto. Respirar em sincronia com parágrafos dá à sua leitura um bom ritmo, e revela o que faz um bom parágrafo: muitas frases e você está hiperventilando, muitas paredes de texto e você está sem ar cedo demais.
Eu acho que a metáfora a ser usada é pensar em um livro como uma estrada longa e sinuosa com um ocasional conjunto de lombadas. Você não quer voar sobre eles, pois isso danificará seu carro, mas você não quer parar completamente em cada corcunda.
  1. Anotações
A questão não é se você deve levá-los, mas quando . Duas opções vêm à mente:
Enquanto lê Dada a nossa conclusão na seção anterior, queremos manter as anotações on-the-go no mínimo, o que, mesmo se feito no livro, é uma distração. No entanto, uma coisa que não irá bloquear o seu fluxo e será de grande benefício mais tarde, está destacando.
Uma página de exemplo com os meus destaques de The Obstacle, de Ryan Holiday , é The Way . Enquanto lê, algumas frases naturalmente se sentem mais importantes que outras. Frases surgem, parágrafos exigem: “Lembre-se de mim! Eu serei importante mais tarde.
Siga o seu instinto. Seja espontâneo. Deixe seu subconsciente fazer o trabalho, seus olhos apontam o resultado e seus dedos fazem a marca.
Depois de ler
Falando de subconsciente, enquanto eu tenho certeza que você está ansioso para tomar notas logo após fechar o último capítulo, esperar por alguns dias até você extrair a força vital de um livro vem com algumas vantagens.
Os dois seguintes eu encontrei no livro de Benedict Carey, How We Learn .
Primeiro, há o efeito Zeigarnik , que é a tendência do seu cérebro para lembrá-lo de coisas que você deixou inacabadas . No aprendizado, isso significa que, enquanto você faz uma pausa depois de uma sessão de matemática hardcore de 4 horas, seu subconsciente continua processando o último problema em que você ficou preso e a solução pode chegar até você no chuveiro na manhã seguinte.
Permitir que as impressões de um bom livro permaneçam por algum tempo as mantém em seu subconsciente e faz conclusões posteriores mais fortes.
Em segundo lugar, o efeito de espaçamento corre para o seu lado, o que indica que o aprendizado funciona melhor com o tempo , em vez de se limitar a um único evento.
Esqueceu o nome de alguém logo depois de se apresentar? Isso porque resmungar de novo e de novo imediatamente não ajuda. Isso só deixa seu cérebro entediado . Seu cérebro precisa de intervalos para lembrar de coisas.
Enviando-se um lembrete com o nome de John dois dias depois que você ouviu, a primeira vez será muito mais eficiente. E assim vai deixar o livro na prateleira.
Em terceiro lugar, isso lhe dá a oportunidade de explorar outros livros topicamente semelhantes nesse meio tempo. Por que isso é útil? Como Nat Eliason aponta , ler livros relacionados ou selecionar capítulos deles permite identificar construções universais. Afinal, conselhos filosóficos atemporais não serão escritos apenas uma vez. Isto é o que Thomas C. Foster se refere como intertextualidade, a dependência de todos os textos uns sobre os outros, em How to Read Literature Like a Professor .
No momento em que você voltar ao seu livro original, você terá uma ideia sólida de quais conceitos resistiram ao teste do tempo até agora.
Mantendo estas vantagens em mente, dois sistemas de anotações em particular merecem sua atenção:
Sistema I: Pergunta / Evidência / Conclusão
Projetado para agilizar a tomada de notas em aulas universitárias não técnicas, este sistema projetado pela Cal Newport se traduz bem em livros de não-ficção.
O conceito é simples: em vez de transcrever exatamente o que o professor diz, capture as grandes ideias. Para fazer isso, reduza suas anotações para uma série de perguntas emparelhadas com conclusões. Entre cada questão e conclusão deve ser uma coleção de evidências que liga os dois. - Cal Newport
O que é notável sobre essa ideia é que ela permite que você arquive quase todas as frases em um esquema de classificação coletivamente exaustivo e mutuamente exclusivo .
Mais do Obstáculo é o Caminho .
No exemplo acima, a pergunta “O que depende de nós?” Está emparelhada com a evidência listada para chegar à conclusão de que essas coisas se assemelham ao nosso campo de jogo e, portanto, estão sob nosso controle.
Você pode fazer isso em papel ou diretamente no livro, como eu fiz, mas de qualquer forma chegará a um grande conjunto de conclusões interconectadas.
Sistema II: O Método do Código Morse Outra contribuição que Cal Newport fez para o mundo das anotações, esse método é projetado para fazer anotações rapidamente .
Ponto ou traço - o que vai ser?
No entanto, em vez de um alfabeto longo, o Método do Código Morse depende apenas dos elementos originais - o ponto e o traço - para denotar ideias e suporte para essas ideias.
  1. Se você se deparar com uma frase que parece estar apresentando uma ideia grande e interessante: desenhe um ponto rápido próximo a ela na margem.
  2. Se você se deparar com um exemplo ou explicação que suporte a grande idéia anterior: desenhe um traço rápido ao lado dele na margem. - Cal Newport
Sim. Ryan Holiday. Novamente.
Neste exemplo, a ideia é que o fracasso pode ser uma coisa boa. O apoio é apresentado na forma de perguntas, que, se respondidas, proporcionarão um benefício de aprendizagem. Além disso, Holiday diz que o fracasso nos pressiona a pensar - o que é uma coisa boa.
Qual sistema você usa, ou se você cria o seu próprio , é com você. Independentemente da implementação, as anotações são uma grande parte desse sistema complexo de reconhecimento, classificando as ideias-chave e enviando-as para a memória de longo prazo, colocando a caneta no papel.
Então e ven se você nunca voltou para as notas, você encontraria você se lembra ideias mais importantes de um livro muito melhor, graças ao ato de extraí-los sozinho.
Beethoven explicou bem esse fenômeno. Ele deixou para trás centenas de cadernos de esboços cheios de anotações. No entanto, ele admitiu que nunca olhou para eles enquanto compunha. Quando alguém perguntou por que ele fazia anotações em primeiro lugar, ele respondeu:
“Se eu não escrever imediatamente, eu imediatamente esqueço. Se eu anotá-lo, nunca esquecerei isso e não precisarei olhar para ele nunca mais ”.
No entanto, a menos que você tenha atingido Beethoven-status já, vamos fazer dar uma olhada-los novamente.
  1. Condensação
No entanto, muitas páginas de anotações que você acaba, destilando-as uma última vez, mostrarão o que todo o livro encerra e lhe dará uma ferramenta de referência fácil.
Eu gosto de me limitar artificialmente a 1-2 páginas por livro. O que restou dos 25 capítulos dos dois livros separados dentro de Trust Me, do Ryan Holiday , I'm Lying .
Em seu resumo, você pode incluir: Premissa de cada capítulo em uma frase. Um rolo de destaque das notas mais importantes. Uma cotação ou palavra-chave fácil de lembrar. É claro que você também pode desenhar esboços, criar mapas mentais ou escrever um texto contínuo.
Faça as coisas o mais simples possível, mas não mais simples. - Albert Einstein
  1. Lembrando
Neste ponto, você configurou sua memória tão bem, lembrando que deveria vir naturalmente. No entanto, tirar suas anotações em intervalos cada vez mais demorados e analisá-los ajudará a consolidar seus argumentos.
Há mais uma coisa que você pode fazer para facilitar ainda mais:
Visite o Palácio da Memória Logo no início, estabelecemos que as experiências são a maneira mais poderosa de lembrar. Mas em nenhum lugar diz que eles têm que ser reais . Você também pode criá-los em sua cabeça para observar um efeito semelhante. Joshua Foer chama isso de Palácio da Memória em Moonwalking With Einstein .
Por exemplo, caminhe por uma rota que você conhece muito bem em sua mente, talvez através de sua casa, e coloque as lições de suas anotações ao longo do caminho. Você pode até amarrá-los a objetos - uma lição sobre a perseverança pode ser uma pedra em seu armário, uma sobre a criatividade como uma cartela de cores na mesa da cozinha.
Sempre que você precisar se lembrar de uma das lições, tudo o que você precisa fazer é voltar a andar mentalmente e pegar os itens certos à medida que avança.
No entanto, até mesmo as melhores lembranças devem chegar ao fim. Como este guia.
Espero que tenha sido útil. Ainda mais, espero que você se lembre disso. Dessa forma, você pode… Reler quando você precisar dele .
Fonte
submitted by DivinaNunato to brasil [link] [comments]


Mary Davis Separate ways Caminhos separados 1990 MLP - Meus Poderes 2 #8 [Caminhos separados] - YouTube Como cobrir caixa de supermercado de uma forma fácil - YouTube CAMINHOS SEPARADOS  KDB FINAL Pedro Miguel - Caminhos Separados (Official Audio) - YouTube Caminhos Separados Se a Vida Começasse Agora - Teaser Oficial Caminhos Separados

Como Plantar Grama Entre Pavers: 6 Passos (com Imagens)

  1. Mary Davis Separate ways Caminhos separados 1990
  2. MLP - Meus Poderes 2 #8 [Caminhos separados] - YouTube
  3. Como cobrir caixa de supermercado de uma forma fácil - YouTube
  4. CAMINHOS SEPARADOS KDB FINAL
  5. Pedro Miguel - Caminhos Separados (Official Audio) - YouTube
  6. Caminhos Separados
  7. Se a Vida Começasse Agora - Teaser Oficial
  8. Caminhos Separados

Beto (Caio Castro), um jovem aspirante a jornalista consegue de cara uma grande oportunidade: cobrir para um jornal o primeiro grande evento de música realizado no país. Bia (Luiza Valderato ... Nesse video vou mostrar Como cobrir caixa de supermercado de uma forma super fácil. https://youtu.be/k69gnEAgOmA Fala pessoal! É com um peso no coração e imensa gratidão que informamos que o Kores do Brasil não vai mais continuar. Estamos super ansiosos para começar um ... Fluttershy Crystal e Jennifer Sparkle são capturadas. Devido as brigas, Sarah e Lary decidem seguir caminhos diferentes. 🌈Redes Sociais💙 Instagram ~ [Larissa... Pedro Miguel - Caminhos Separados (Official Audio) https://Vidisco.lnk.to/essotupedromiguelfull Copyright © 2018 Vivadisco 50+ videos Play all Mix - Mary Davis Separate ways Caminhos separados 1990 YouTube; Journey - Separate Ways. Tradução Legendado - Duration: 5:25. Vanderson ... Provided to YouTube by The Orchard Enterprises Caminhos Separados · Jorge Ferreira Os Primeiros Exitos, Vol. 4: Originais ℗ 2017 Music World LLC Released on: 2017-01-06 Music Publisher: SPA ... Provided to YouTube by The Orchard Enterprises Caminhos Separados · Jorge Ferreira Chau ℗ 1994 Espacial Released on: 1994-07-11 Music Publisher: Espacial Auto-generated by YouTube.